Text Size

Buscar

Botucatu visa reforma em aeroporto

Na última terça-feira (23), na Secretaria da Aviação Civil, em Brasília, ao lado do deputado estadual Fernando Cury e do assessor jurídico da prefeitura, Carlos Eduardo Speltri, o prefeito de Botucatu João Cury Neto foi recebido em audiência pelo coordenador Geral de Planejamento do Departamento de Gestão do Programa Federal de Auxílio a Aeroportos (DIPROFAA), Márcio Maffili Fernandes, em mais uma etapa de negociação e discussão do projeto que prevê a modernização do aeroporto municipal “Tancredo Neves”. Também participou do encontro o consultor Jorge Eduardo Leal de Medeiros, do Departamento de Engenharia da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.
 
A partir da municipalização do aeroporto, ocorrida em 2013, a Prefeitura de Botucatu intensificou a busca por investimentos que possam elevar seu grau de importância no Estado de São Paulo e transformá-lo em vetor de desenvolvimento regional. O município foi incluído na lista de 19 aeroportos paulistas contemplados no PIL (Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos), iniciado em 2013 e que visa reformar e ampliar 270 aeroportos de cidades pequenas e médias em todo o país. O programa, orçado em R$ 7,3 bilhões, tem o objetivo principal de fazer com que 96% da população brasileira esteja a, no máximo, 100 quilômetros de um aeroporto.
 
“Fomos muito bem recebidos e fizemos uma reunião muito produtiva. Recebemos a informação que o nosso projeto está bem embasado econômica e tecnicamente e tem sido priorizado pelo governo federal. Nosso projeto caminha no sentido de termos, em nossa cidade, após a reforma e modernização do aeroporto, a operação de linhas aéreas regulares, com transporte de passageiros, de Botucatu para o resto do Brasil”, anuncia o prefeito.  
 
O valor estimado para os investimentos que deverão ser realizados no aeroporto de Botucatu ultrapassa os R$ 80 milhões. O projeto contempla, entre outras melhorias, reforço de pista, área de taxiamento e a construção de um novo terminal de passageiros. Nos próximos 30 dias, o município deverá encaminhar à Cetesb a documentação necessária para obtenção do licenciamento ambiental das obras que serão executadas no local.  
 
“Como se sabe, o licenciamento ambiental é condição indispensável para conseguirmos os recursos financeiros que estamos pleiteando junto ao governo federal. Assim como já acontece em cidades como Campinas, São José dos Campos, Ribeirão Preto e outras cidades, a presença de voos regulares em Botucatu atrairá para a nossa região uma série de novos investimentos e oportunidades”, completa Cury.
 
Dos 270 aeroportos incluídos no PIL, 220 já possuem estudos de viabilidade concluídos. Atestada a viabilidade, são feitos estudos técnicos preliminares para diagnosticar que obras precisam ser feitas em cada aeroporto, que depois passa por licenciamento ambiental para, enfim, ter a obra licitada e iniciada. Esse rito de planejamento rigoroso é uma inovação introduzida pelo programa de aviação regional para evitar que obras já licitadas ou iniciadas atrasem por problemas ambientais ou falhas de projeto.
 
“Demos mais um importante passo e saímos bem esperançosos pela liberação de recursos. O aeroporto de Botucatu preenche todos os requisitos para fazer parte de uma seleta lista de municípios paulistas que deverão ser beneficiados com recursos desse programa do governo federal”, comemora o deputado Fernando Cury.  

Fonte: Carlos Pessoa - Prefeitura de Botucatu

Prefeituras Parceiras






Greenpeace

Greenpeace

WWF